O que Nos Move

Observações, questionamentos e inquietações, que nos levam a refletir, pesquisar e estudar cada vez mais:

O que é ser saudável, hoje?

Quais as consequências de um atendimento tão fragmentado do ser humano?

A ênfase dada à expressão somática (sintomas físicos) de uma patologia e a busca por eliminar tais sintomas, é tratar o ser humano de forma integral?

É possível minimizar as divisões e as dificuldades de diálogo entre as áreas da saúde?

Por que e para que criamos uma sociedade cada vez mais adoecida? Qual o sentido desse adoecimento?

Como podemos compreender o paradoxo relacionado ao “culto ao corpo”: disponibilidade de inúmeros tratamentos oferecidos hoje pela medicina e nas diversas áreas da saúde X o número crescente de pessoas insatisfeitas e angustiadas. Rapidez e eficiência garantem sucesso no tratamento? Garantem uma vida com qualidade?